quinta-feira, 18 de março de 2010

Como tudo começou...

Uma Jangada de Pedra a Caminho do Haiti



As minhas palavras são de agradecimento. A Fundação José Saramago teve uma ideia, louvável por definição, mas que poderia ter entrado na história como uma simples boa intenção, mais uma das muitas com que dizem estar calcetado o caminho para o inferno. Era a ideia editar um livro. Como se vê, nada de original, pelo menos em princípio, livros é o que não falta. A diferença estaria em que o produto da venda deste se destinaria a ajudar as vítimas sobreviventes do sismo do Haiti. Quantificar tal ajuda, por exemplo, na renúncia do autor aos seus direitos e numa redução do lucro normal da editora, teria o grave inconveniente de converter em mero gesto simbólico o que deveria ser, tanto quanto fosse possível, proveitoso e substancial. Foi possível. Graças à imediata e generosa colaboração das editoras Caminho e Alfaguara e das entidades que participam na feitura e difusão de um livro, desde a fábrica de papel à tipografia, desde o distribuidor ao comércio livreiro, os 15 euros que o comprador gastará serão integralmente entregues à Cruz Vermelha para que os faça seguir ao seu destino. Se chegássemos a um milhão de exemplares (o sonho é livre) seriam 15 milhões de euros de ajuda. Para a calamidade que caiu sobre o Haiti 15 milhões de euros não passam de uma gota de água, mas A Jangada de Pedra (foi este o livro escolhido) será também publicada em Espanha e no mundo hispânico da América Latina – quem sabe então o que poderá suceder? A todos os que nos acompanharam na concretização da ideia primeira, tornando-a mais rica e efectiva, a nossa gratidão, o nosso reconhecimento para sempre.


OBS: O livro ainda não foi lançado no Brasil.


Artigo de Quinta-feira, 28 de Janeiro, 2010 às 9:41, arquivado em O Caderno de Saramago. Pode seguir os comentários a esta entrada através do feed RSS 2.0. Tanto os comentários como pings estão desactivados.

terça-feira, 2 de março de 2010

Valorização da cultura indígena e afro



Por Isaltino Nascimento


O Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas da Universidade Católica de Pernambuco (Neabi) começou a funcionar oficialmente nesta terça-feira (23), coroando o trabalho louvável que a instituição vem realizando nos últimos anos no incentivo à promoção da igualdade racial.

O Neabi, que funcionará sob a coordenação do padre Jorge Cabral e resulta de parceria da Unicap com o Comitê Estadual de Promoção da Igualdade Étnicorracial (Cepir), certamente servirá de exemplo para outras instituições de ensino superior, públicas e privadas do nosso Estado.

Pois nasce com a missão de ajudar na promoção de políticas públicas para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afrobrasileira”, o que está previsto na lei federal 10.639, de 9 de janeiro de 2003. 

Esse trabalho soma-se a uma série de outros projetos que vêm sendo tocados pela instituição sob a coordenação padre Pedro Rubens, reitor da Unicap, no sentido de sanar uma “dívida de reparação” com os povos indígenas e negros. Como, por exemplo, manter um mestrado em Ciências da Religião, cursos para integrantes de religiões de matriz africana e abrir espaço de debates sobre a questão racial no país.

É importante ressaltar este trabalho da Unicap – da qual fui aluno do curso de Ciências Contábeis entre os anos de 85 a 90 –, pois nos tempos em que fui aluno não era possível vivenciar experiências desta natureza. E hoje o que se vê é todo um corpo de professores e alunos com uma visão ampliada sobre a temática, que deixou de ser tabu.

Prestigiaram a inauguração do Neabi o ministro da Igualdade Edson Santos e secretário executivo do Cepir, Jorge Arruda, além de representantes do movimento negro, religiões de matrizes africanas e um grande número de pessoas abertas ao diálogo sobre igualdade racial. 

Com destaque para a presença de figuras emblemáticas das religiões afrobrasileiras no Recife, como é o caso de seu Valfrido, 96 anos, Ogã (uma espécie de sacerdote) do Sítio Paredão, uma das casas de candomblé mais antigas do Brasil, localizada no bairro de Água Fria, e a yalorixá Tia Zeza, 80 anos. 

O padre Pedro Rubens foi muito feliz em sua palestra, na qual tratou sobre a importância do novo núcleo do ponto de vista do ensino, pesquisa e extensão na universidade. O que certamente será um grande diferencial. E não apenas na formação dos alunos da instituição, mas na contribuição para o fomento de um debate de qualidade sobre igualdade racial num Estado que demonstra – tanto por meio do poder público quanto da iniciativa privadas – preocupação com um tema de tamanha pertinência.

Isaltino Nascimento (www.isaltinopt.com.br / twitter/isaltinopt), deputado estadual pelo PT e líder do governo na Assembléia Legislativa, escreve para o Blog todas às terças-feiras.